Pontos de Interesse

Classificação
Featured/Unfeatured
Claimed/Unclaimed
Ponte de Algoso 2.jpg
41.450511,-6.572785

Ponte de tabuleiro horizontal com rampa em curva no lado da margem direita, composta por três arcos iguais de meio ponto. Tem pegões contra-fortados com talha-mar de forma triangular e talhante semicircular. O aparelho usado na sua construção é de alvenaria de xisto, embora as aduelas e os vértices da talha mares sejam de silhares de granito. As aduelas são largas e curtas e apresentam extradorso irregular. As guardas são de alvenaria de xisto e os arcos têm aberturas para o apoio das agulheiras. No pavimento atual, em terra batida, subsistem alguns vestígios de calçada.
Datação: Medieval/Moderna.
Est. De Conservação: bom.
Lendas e Tradições: esta ponte deveria integrar o caminho de peregrinação a Santiago de Compostela.
Nas imediações de Angueira, junto ao rio, conta-se que havia uma fonte santa de onde brotavam águas medicinais indicadas para as doenças dermatológicas.
Fonte: Património dos Concelhos da Terra Fria: Concelho do Vimioso, VOLUME I

Ponte dos Canos Miranda.JPG
41.4936325, -6.278639

Ponte em tabuleiro plano, assente em 3 arcos quebrados desiguais com pegões cegos, que tem uma largura máxima de 4 metros.
Datação: Idade média
Estado de conservação: bom

castelo 2.jpg
41.835437,-7.000029

Não se sabe quando terá sido mandado edificar e que monarca o terá ordenado, no entanto alguns autores defendem que teria sido o rei D. Dinis, uma vez que existem referências a obras na Praça de Vinhais com construção de algumas torres durante o seu reinado. Pela sua localização fronteiriça, o castelo teve grande importância militar, pois o território desde sempre foi cobiçado por monarcas vizinhos.

Ao longo da história esta muralha foi rampa de várias lutas, heroicamente salva pelos seus habitantes.

Classificação: Classificado como Imóvel de Interesse Público, Dec. Nº 36 383 DG 147 de 28 de Junho de 1947.

Fornos de Cal de Dine 1.jpg
41.910118,-6.92939

Na parte exterior da Lorga de Dine, a sul da entrada, conservam-se os vestígios dos Fornos de Cal, usados até há algum tempo.

Est. De Conservação: bom.

Fonte: Património dos Concelhos da Terra Fria: Concelho de Vinhais VOLUME I

Lorga de Dine.jpg
41.910118,-6.92939

Em Dine, Cova de Lua e em Santo Adrião há formações de dolomitos e calcários, onde se observam fenómenos cársicos de pequena amplitude. Estas grutas constituem um valioso património natural a preservar, mas também um património cultural, porque frequentemente guardam no seu interior vestígios arqueológicos que indiciam a sua utilização como habitat, ou o seu aproveitamento como sepulcro.

Datação: Neolítico, Calcolítica e Idade do Bronze.

O local onde se encontra a Lorga de Dine, o Outeiro do Castro e a necrópole medieval teve ocupação desde o Calcolítico até ao presente.

Classificação: IIP Desp. de Março de 1975, Dec. Nº67/97 DR nº301 de 31 de Dezembro de 1997.

Fonte: Património dos Concelhos da Terra Fria: Concelho de Vinhais VOLUME I

Ponte e Fonte do Jorge 1.jpg
41.800662, -6.748872

Ponte de tabuleiro horizontal composta por um arco de ogiva, com aduelas em xisto azul, cujas fundações assentam no maciço rochoso. Tem 40 metros de comprimento, 7 metros de vão, 4,40 metros de flecha, 8 metros de altura e 3,50 metros de largura. As guardas baixas são de alvenaria de xisto e o pavimento é de terra. Faz conjunto com a Fonte do Jorge, uma fonte de espaldar seiscentista ou setecentista. Tem a taça enterrada, enquadrada por duas pilastras jónicas e coroada pelas armas do concelho de Bragança.

Datação: século XVI (1557).

Est. De Conservação: bom.

Lendas e Tradições: algumas pessoas consideram que a Fonte do Jorge foi usada como pia baptismal enquanto para outras servia de bebedouro.

Fonte: Património dos Concelhos da Terra Fria Concelho de Bragança VOLUME I

Pelourinho de Rebordãos.jpg
41.739956, -6.823742

Pelourinho rústico formado por uma base de granito onde assenta uma coluna tosca de fuste oitavado ornamentado, a meia altura, por semi-esferas e sobrepujado por um capitel cúbico, com arestas parcialmente cortadas por golpes côncavos. O conjunto é rematado por uma calote esférica.

Classificação: IIP (Dec. nº23 122, DG 231 de 11 Outubro 1933).

Datação: século XII/XIV.

Est. De Conservação: mau.

Fonte: Património dos Concelhos da Terra FriaConcelho de Bragança VOLUME I

Ponte de Frieira.jpg
41.574141, -6.758823

Ponte de tabuleiro em cavalete, de 5 arcos de volta perfeita, sendo o central de maior vão, cujas fundações assentam directamente no solo. Os pilares e talha mares têm faces de montante triangulares, cortadas em bisel e faces de jusante arredondadas. O coroamento das guardas é feito de pedra, com a parte superior arredondada e parte restante destas com pedra trabalhada colocada ao alto. Tem 30.6 metros de comprimento, 2.5 metros de largura entre as guardas, vãos de 2, 3, 4, 3 e 2 metros e altura máxima de 5 metros. O pavimento é do tipo calçada à portuguesa.

Datação: século XV (data provável da sua construção).

Classificação: VC (Dec. nº29/90, DR 163 de 17 Julho 1990).

Est. De Conservação: bom.

Fonte: Património dos Concelhos da Terra Fria Concelho de Bragança VOLUME II

Aqueduto de Vilarinho MD.jpg
41.4919248, -6.2869056

Descrição: A cerca de um quilómetro de Miranda do Douro. No séc. XVI, foi residência de Verão dos arcebispos. Monumento único em Trás-os-Montes

Mosteiro e Igreja de Castro de Avelãs 3.jpg
41.798878,-6.804684

O Mosteiro beneditino de Castro de Avelãs gozou da protecção de Afonso Henriques, exercendo este uma influência determinante na economia da região onde foi implantado, pelo menos até ao século XIII. Foi um núcleo monacal extremamente importante do Nordeste Transmontano, entre os séculos XII e XVI. A igreja situa-se entre as ruínas do convento e o que restou de uma torre e casa paroquial. A velha e incompleta igreja foi construída ao estilo românico mudéjar de raiz leonesa, com tijolo vermelho, um material pouco usado entre nós. Deste projecto, nunca concluído, restaram a cabeceira, com três capelas semi-circulares, uma das torres da fachada e o arranque da parede da nave lateral, visível no lado sul. No absidíolo sul encontra-se um sarcófago monolítico de granito, composto por arco feral paralelepipédico, com tampa de secção pentagonal com remate superior de duas águas. O túmulo está decorado por dois brasões e uma inscrição inacabada – “ERA DE MIL E CCC E” – gravada na sua tampa.

Datação: séculos XIII/XVI/XVIII.

Classificação: MN (Dec. De 16-6-1910).

Est. De Conservação: bom.

Lendas e Tradições: Uma velha tradição diz que o túmulo, guardado no interior de um dos absidíolos, pertence ao cavaleiro D. Pelaio, conhecido como conde de Ariães. Segundo reza a lenda, este conde fazia vitoriosas incursões bélicas contra os muçulmanos no tempo de D. Ramiro II, que encantavam os habitantes de Bragança. Este propusera-lhe entregar a cidade, caso concordasse entrar num desafio campal com um mouro, mas em força desigual. Confiante do seu triunfo, o conde aceitou o desafio marcado para o dia de São Jorge, a quem prometeu, em caso de vitória, erigir uma capela da sua invocação a qual visitaria anualmente em procissão. No Prado do Talho, o cavaleiro derrotou o inimigo, no limite da veiga de Ariâes, e mandou edificar um templo em honra de São Jorge. Outra tradição conta um episódio menos feliz da história deste conde. Certo dia, este zangou-se com a sua mãe, por esta não ter o jantar pronto quando voltava da caça e no pico da sua ira atiçou-lhe os cães que a mataram. Como forma de castigo, pelo crime horrendo que cometera, foi obrigado a tirar um cabelo da sua cabeça e metê-lo numa pia com água debaixo de uma pedra, até que este se trans-formasse numa cobra. Quando o animal estivesse bem crescido, seria metido com o conde numa tumba, identificada com o túmulo do mosteiro de Castro de Avelãs, para que fosse devorado pela cobra e assim fosse vingada a morte da sua mãe.

Fonte: Património dos Concelhos da Terra Fria Concelho de Bragança VOLUME I

Showing 1 - 10 of 14 results
Translate »