Pontos de Interesse

Classificação
Featured/Unfeatured
Claimed/Unclaimed
MAB_.jpg
41.805714, -6.752923

Datação: séculos XVI/XVII.

Classificação: abrange o edifício e jardim do antigo Paço Episcopal de Bragança – IIP (Dec. nº1/86, DR 2 de 3 Janeiro 1986.)

Descrição: a fachada deste edifício, que se assemelha a um solar setecentista, é comprida e está dividida em três corpos. A porta do extremo ocidental está ladeada por duas janelas gradeadas, como as janelas do piso nobre que têm sobre elas outras portas e varandins, também com grade. No centro ostenta-se a pedra de armas esculpida por João Alves Lagido, ladeada por três janelas. Este brasão é em tudo idêntico ao executado na campa do bispo D. João de Sousa Carvalho, que se encontra na capela de Nossa Senhora dos Remédios da Sé da Miranda do Douro. O Museu de Abade de Baçal é antes de mais um museu dedicado à Arte, à Arqueologia e à Etnografia.

Est. De Conservação: muito bom.

Lendas e Tradições: segundo informações do Monsenhor José de Castro, os bispos de Miranda tinham de morar meio ano em Bragança. Os Bispos desta cidade, como não tinham uma residência apropriada, viviam no Castelo, como acontecia com os seus congéneres de Miranda, até D. António Pinheiro. O terceiro bispo de Miranda, D. Julião d’ Alva, instituiu em Bragança o Colégio de São Pedro, que serviu de residência ao bispo. Este edifício, o Paço Episcopal ou casa de Bragança, foi reedificado em 1734, pelo bispo D. João de Sousa Carvalho que edificou “casas novas”, onde hoje se encontra instalado o Museu Abade de Baçal.

Fonte: Património dos Concelhos da Terra Fria Concelho de Bragança VOLUME I

Cano.JPG
41.835513, -7.001199

Descrição: Situada no largo do Arrabalde, o povo refere-se às suas águas como “milagrosas”. Apresenta um brasão de enorme valor artístico, constituído por um Escudo Real com cinco escudetes postos em cruz. Cada escudete tem cinco besantes em sautor. A bordadura está coberta com sete torres abertas e iluminadas e está adornada com motivos barrocos, sendo concluído pela Coroa Real.

O tanque e o “espaldar” remontam ao século XVIII.

Nas laterais afigura-se com dois painéis de azulejo nacional, dos anos 30 do século XX, apresentando, a um lado, o Pelourinho da Vila e, ao outro lado, a extinta Capela da Misericórdia.

parque merendas rio angueira.jpg
41.611087, -6.408323

Espaço relvado e arborizado, localizado na margem do rio Angueira, com algumas mesas e bancos para piqueniques.

miradouro vale daguia.jpg
41.5159091,-6.2599225

Descrição: Situado no Castro de Vale d `Águia podemos observar o monumental cotovelo do Douro

capela de S Sebastião.jpg
41.80439,-6.746507

A pequena e singela capela de São Sebastião ostenta um retábulo-mor neoclássico com uma imagem do padroeiro. Terá sido fundada numa época de peste e resultará de um voto feito por D. Manuel em 1505, no momento em que a peste assolou o reino. Este monarca prometeu erigir nos arrabaldes de todas as cidades uma ermida dedicada a São Sebastião.

Datação: século XVI (1569).

Est. De Conservação: bom.

Lendas e Tradições: da capela de São Sebastião saía a imagem de São Jorge para a procissão do Corpus Christi, sendo acompanhada por um piquete de cavalaria e de militares. A Câmara estava obrigada a conduzir a sua imagem, no dia 23 de Abril, à capela de São Jorge perto de Vila Nova, onde se fazia uma missa campal no seu exterior, isto porque o povo tinha receio que a imagem, ao passar para a outra margem da ribeira onde se encontravam as ruínas, nunca mais de lá sairia.

Fonte: Património dos Concelhos da Terra Fria Concelho de Bragança VOLUME I

Ponte Velha de Soeira.jpg
41.852957,-6.932008

A ponte é composta por dois arcos de volta perfeita, tem um tabuleiro de 42 m de comprimento e 3,80 m de largura e 15,7m de altura. As guardas são de xisto e a montante surge um talha-mar.

No arco da margem direita há três agulheiros, do outro lado do intradorso a ponte assenta no afloramento rochoso. Este arco tem 6,2m de altura e 6,6 m de largura máxima, enquanto o arco da margem oposta tem 13,1m de altura e 9,6m de largura.

Datação: trata-se de uma ponte romana reconstruída no período Moderno.

Encontra-se no traçado norte da via romana XVII.

Est. De Conservação: bom.

Fonte: Património dos Concelhos da Terra Fria: Concelho de Vinhais VOLUME I

Igreja Frades Trinos (1).JPG
41.4922784,-6.2746211

Igreja pertencente a um convento barroco, remodelada e adaptada a Biblioteca Municipal, mas mantendo partes da estrutura primitiva. O convento foi construído pelos frades descalços da Ordem da Santíssima Trindade, com licença de Dom João V. A igreja foi depois construída entre 1718 e 1728, sendo a biblioteca aqui instalada em 1999.
Estado de Conservação: Muito Bom

castelo 2.jpg
41.835437,-7.000029

Não se sabe quando terá sido mandado edificar e que monarca o terá ordenado, no entanto alguns autores defendem que teria sido o rei D. Dinis, uma vez que existem referências a obras na Praça de Vinhais com construção de algumas torres durante o seu reinado. Pela sua localização fronteiriça, o castelo teve grande importância militar, pois o território desde sempre foi cobiçado por monarcas vizinhos.

Ao longo da história esta muralha foi rampa de várias lutas, heroicamente salva pelos seus habitantes.

Classificação: Classificado como Imóvel de Interesse Público, Dec. Nº 36 383 DG 147 de 28 de Junho de 1947.

Capela da Cabeça Boa.jpg
41.776043, -6.758210

 A fachada está revestida a azulejos modernos. O portal está decorado por um concheado sobre o qual se rasga um janelão gradeado. No remate do frontispício surge um frontão triangular interrompido pela sineira. Interiormente destacam-se os altares de talha policroma.

Datação: Época Moderna (a primitiva igreja seria do século XV).

Est. De Conservação: bom.

Lendas e Tradições: a romaria do Senhor da Cabeça Boa ocorre no primeiro Domingo de Maio. Certo dia, um emigrante português no Brasil ao ver-se perdido no alto mar pediu ajuda a Santo Cristo, prometendo edificar-lhe um templo se fosse salvo. Assim nasceu a capela de Santo Cristo, onde se festeja a chegada do Cristianismo às terras de Vera Cruz. Diz-se também que nas noites mais escuras, o lampião suspenso do zimbório da capela é avistado nas serras distantes.

Fonte: Património dos Concelhos da Terra Fria Concelho de Bragança VOLUME II

casa da cultura - Sendim 1.jpg
41.3879707, -6.4266057

Espaço privilegiado para a realização de espetáculos e exposições.

Showing 1 - 10 of 189 results
Translate »