Pontos de Interesse

41.805342,-6.752622

No espaço externo salienta-se o portal lateral maneirista, que marca a entrada na igreja conventual, o fontanário setecentista (1746) com um brasão rocaille com o escudo real e a torre sineira que substitui uma anterior. Encontramos ainda no muro sul o painel de azulejos, no muro sul, mandado executar por Raúl Teixeira onde se representa a proclamação do general Sepúlveda, contra a Segunda Invasão Francesa, colocado em 1929 (11 de Junho) nas comemorações dos 121 anos desta efeméride. É uma igreja de nave única de formato rectangular, coberta por uma abóbada de berço revestida a estuque com um baixo-relevo, no qual se representa, ao centro, a Ascensão de Cristo e, nos cantos, os Quatro Evangelistas.

Datação: construída no século XIII, demolida no século XVI a mando do bispo D. António Pinheiro e reconstruída pela Confraria de Santa Cruz, muito possivelmente, entre 1571 e 1638.

Est. De Conservação: muito bom.

Lendas e Tradições: esta igreja está ligada a várias tradições religiosas e profanas. Conta uma delas que aqui se realizou o casamento secreto de D. Pedro I e D. Inês de Castro, celebrado pelo deão da Sé da Guarda, D. Gil, que depois foi prelado da diocese. Outra tradição, pouco verosímil, diz que a paróquia de São Vicente, já referida nas Inquirições de 1258, foi extinta no século XVI por falta de fregueses.

Fonte: Património dos Concelhos da Terra Fria Concelho de Bragança VOLUME I

Morada
Rua Abílio Beça, Bragança